Wladimir Martins 29/02/2020

Consciência profissional: como desenvolvê-la no meu trabalho?

Você já ouviu falar sobre consciência profissional? Sabe o que isso significa e por que ela é tão importante para uma carreira de sucesso? Calma, a gente explica!

O termo — embora muitas vezes encontrado com outras nomenclaturas — refere-se ao autoconhecimento focado em seu lado profissional. Isso significa procurar e encontrar as respostas para algumas questões, como:

  • quem você é em essência e como isso influencia sua carreira;
  • quais são suas habilidades naturais e aquelas que você geralmente desenvolve com mais entusiasmo e constância;
  • o que você quer profissionalmente e se isso está alinhado às suas expectativas pessoais.

Além de outras questões inerentes ao assunto e que são extremamente importantes para um desenvolvimento e crescimento saudável, positivo e natural de sua carreira. Dessa forma, fica muito mais fácil desenvolver seus talentos e ter o devido reconhecimento por aquilo que você gosta de fazer e faz muito bem.

Embora essas perguntas pareçam simples de serem respondidas, nós sabemos que a realidade não funciona bem assim.

Muitos profissionais — contratados, em transição ou em busca de recolocação — acabam estagnados por não conseguir ter clareza sobre essas questões e, consequentemente, não conseguem realizar o seu máximo potencial profissional.

Pensando nisso, selecionamos um conteúdo completo sobre como desenvolver essa consciência profissional e vamos discorrer sobre ele a seguir. Acompanhe!

Por que desenvolver a consciência profissional é tão importante?

Manter uma trajetória profissional de sucesso ao longo da vida pode não ser uma tarefa tão fácil. No entanto, quando a consciência profissional é bem desenvolvida; quando o profissional tem clareza acerca das expectativas para a sua carreira; assim como quando um plano é bem estabelecido; essa jornada pode ser trilhada com muito mais tranquilidade.

Entender a si, identificando seus talentos naturais e habilidades adquiridas ao longo da vida, também são fatores fundamentais para o sucesso profissional e não podem ser negligenciadas, mas…

O que as experiências pessoais têm a ver com isso?

Se tem uma coisa que inevitavelmente vai impactar sua vida, são suas experiências mais intensas. Considere-as você como positivas ou negativas, cada um desses acontecimentos tem o poder de transformar a forma como você vê o mundo e, também, seu comportamento perante a vida.

Isso não é ruim! É totalmente possível extrair lições ou identificar padrões comportamentais baseados nessas experiências e em suas reações. O que possibilita entender melhor como você se comporta em cada situação e, assim, mudar o que for necessário.

Outro ponto importante e que também tem a ver com as experiências que vivenciamos é a construção de nossas habilidades mais notáveis, sejam elas naturais ou adquiridas. Vamos falar um pouco mais sobre isso?

Soft Skills e Hard Skills: o que isso significa?

Expressões muito comuns no mundo corporativo, soft skills e hard skills são, de forma resumida, conjuntos de habilidades que cada pessoa tem. Para explicar de forma mais completa, vamos analisar a tradução das palavras.

“Skills”, traduzido do inglês, significa “habilidades”. Até aí já dava para imaginar pelo contexto, não? No entanto, soft e hard, embora possam ser traduzidos para algo como suave e difícil, respectivamente, pedem uma explicação mais detalhada.

Dessa forma, soft skills são nossas habilidades comportamentais, ligadas à nossa capacidade de lidar com fatores emocionais, como:

  • comunicação interpessoal;
  • capacidade de persuasão;
  • proatividade; entre outras.

Já as hard skills são nossas habilidades profissionais, adquiridas ou lapidadas ao longo do tempo. Por exemplo:

  • conhecimento em outros idiomas;
  • cursos técnicos, graduações, mestrados;
  • habilidades tecnológicas, e mais.

A principal diferença entre soft e hard skills é que, enquanto na primeira opção fica difícil mensurar com exatidão se o profissional tem de fato tal habilidade, na última, seu conhecimento fica evidente por meio de métricas de avaliações eventualmente aplicadas.

Mas qual a ligação entre essas habilidades e o desenvolvimento da consciência profissional?

Skills e consciência profissional: qual a ligação?

Para começar a desenvolver a consciência profissional da melhor maneira possível, é preciso conhecer nossas habilidades com certa profundidade. Entendendo o que fazemos bem, podemos definir com maior eficácia nossa trajetória profissional. Veja um exemplo:

Uma pessoa que é muito boa com os números de forma natural, pode desenvolver essa habilidade em cursos e até mesmo na prática do dia a dia. Agora, vamos supor que essa mesma pessoa, que até então não havia demonstrado quaisquer habilidades artísticas, queira se aventurar pelas artes cênicas.

Pode ser que dê certo e que ela descubra um talento, antes inerte, para a atuação. Mas pode ser também que ela descubra, em algum momento, que teria sido melhor, mais fácil ou natural, escolher algo que já fosse habitual para ela.

Ou seja, ela realmente analisou suas habilidades com cuidado e clareza antes de escolher uma profissão? Ou ainda, ela tinha consciência de que essa facilidade para os números poderia se transformar em uma carreira de sucesso?

Reflita sobre essas questões e analise sua própria vida nesse mesmo aspecto. Existe algum talento que você está deixando de lado e que poderia ser um impulsionador para a sua vida profissional? Feito isso, vá para as próximas etapas da jornada!

Como desenvolver a consciência profissional na prática?

Podemos dividir as etapas desse desenvolvimento em 3 grupos fundamentais: autoconhecimento, estratégia e ação. Vamos falar sobre cada um deles e dividi-los em tarefas. Vamos lá!

O primeiro grupo, o do autoconhecimento, além do que já foi apresentado até agora, pode ser estendido a todos os assuntos que envolvam as respostas para as perguntas: quem você é? O que você quer? Como, quando e por que você quer?

O segundo grupo, o da estratégia, representa como você planeja fazer o que foi determinado no grupo anterior. E o último deles, o grupo da ação, é quando você de fato faz o que se propôs a fazer.

Dividindo-os — sem muita cerimônia — em tarefas, ficaria algo como o que vamos apresentar a seguir.

Enumere seus pontos fortes

Com base nos exercícios feitos e em outros que você possa vir a realizar por meio dessas tarefas, anote em um papel todos os seus pontos fortes. Depois, enumere-os em uma escala de eficácia, começando por aquele no qual você é melhor.

Isso é importante, pois as profissões, de modo geral, exigem certo grupo de habilidades e conhecimentos para que um profissional tenha uma carreira promissora na ocupação escolhida.

Sendo assim, só é possível saber se você atende a essas exigências, com uma análise profunda de seus pontos fortes. Mas não para por aí!

Analise seus pontos fracos

Os pontos fracos também merecem atenção e cuidado redobrado. Veja bem, você pode até não ter um ou outro ponto forte específico para uma profissão e, ainda assim, se sair bem nela. O mesmo pode não acontecer nesse caso.

Um ponto fraco pesa muito quando, justamente ele, é fator base de uma profissão. Vamos exemplificar com o caso de uma jovem que sonha em ser médica, mas não suporta ver sangue.

Esse exemplo pode até estar meio “batido”, mas é muito eficaz para essa explicação. Ela não consegue e não suporta ver sangue. Pode ser até que ela desmaie nesses momentos.

Ainda que ela não queira atuar na área médica em cirurgias, ou outros setores nos quais vão haver sangue inevitavelmente, será preciso passar por isso durante os estudos e por um período inicial de sua vida profissional.

Vale mesmo a pena passar por cima desse ponto fraco — a qualquer custo? Ou seria melhor procurar alternativas nas quais ele não seja um impedimento? É para se pensar!

Liste seus conhecimentos específicos

Agora que você já sabe quais são os seus pontos fortes e fracos, chegou a hora de listar seus conhecimentos. Entendemos por “conhecimento” todo e qualquer assunto ou prática que você domine, mesmo que não tenha formação tradicional na área.

Vale voltar lá naquela análise de soft e hard skills para mapear esses conhecimentos!

Anote tudo mesmo: cursos livres, técnicos, graduações, especializações, oficinas, experiências, viagens, enfim, tudo o que possa ter gerado conhecimento em algum momento de sua vida.

Depois, analise quais deles são mais específicos e podem ser um diferencial de mercado para a sua carreira. Veja algumas opções!

Um idioma que não é tão comum, mas que pode gerar oportunidades em outros países. Ou até uma especialização que comumente não é feita pelos profissionais de sua área de atuação, mas que complementa muito bem suas atribuições.

Identifique o que você faz excepcionalmente bem

Estamos chegando em um ponto muito importante dessa jornada: seu diferencial principal. Para isso, responda: O que você faz excepcionalmente bem?

Embora grande parte das pessoas pense não ter essa qualidade, ela existe sim! Para encontrá-la, no entanto, pode ser necessária muita reflexão sobre o que você já faz e o que você já fez em toda sua vida.

Pode ser que você não use profissionalmente essa habilidade no momento, ou até que nunca tenha usado para esse fim. Mas, em algum período de sua vida, em alguma área, existe algo que você faz de forma extraordinária. Reflita!

Faça uma análise de perfil

Ainda está difícil identificar talentos ou habilidades? Esta dica pode ajudar! Conheça os perfis comportamentais existentes (extroversão, normas, risco, paciência) e identifique qual é o seu.

Veja bem, as pessoas são diferentes e para cada tipo existe uma profissão, ou grupo de profissões, mais indicado. Facilite esse processo de escolha e faça uso das ferramentas disponíveis no mercado. A análise de perfil comportamental é uma delas.

Por meio dessa avaliação, é possível identificar padrões de comportamento, preferências, potencialidades e gargalos de desenvolvimento. Vale o investimento!

Converse com seus amigos

Seu círculo social também pode indicar o melhor caminho profissional para você, sabia disso? Seus familiares, amigos e pessoas de seu convívio diário podem influenciar sua vida nos mais variados aspectos. Isso pode ser bom ou ruim dependendo dos resultados dessa influência.

Mas, além disso, as pessoas que convivem com você conseguem enxergar seus talentos (e defeitos) com mais clareza. Portanto, perguntar para elas: quais são seus pontos fortes; pontos fracos; possíveis talentos; ou até no que elas consideram que você seja excepcional, pode ser uma boa ideia!

Crie um plano de ação

A fase de planejamento já foi, agora é hora de estruturar tudo o que foi analisado e descoberto sobre você e tentar encaixar tudo isso em uma estratégia.

Ainda que esse processo de desenvolvimento da sua consciência profissional ocasione algumas mudanças organizacionais em sua carreira, empresa ou em sua vida como um todo, ele é muito importante para a construção de uma carreira de sucesso.

Pode ser que em algum momento as dúvidas ou o medo dessa mudança surjam, mas tenha calma! Isso é absolutamente normal e costuma passar com os primeiros resultados positivos e promissores. Agora, vamos planejar?

Um bom plano de ação precisa levar em consideração alguns aspectos. Como já falamos sobre uma boa parte deles neste texto, vamos resumi-los em uma ordem específica de operações necessárias. São elas:

  • anote suas principais habilidades em grupos similares;
  • encontre possíveis profissões que se enquadrem nessas habilidades;
  • defina algo no qual você seja excepcional;
  • entenda como isso pode se tornar um diferencial em sua carreira atual ou uma nova profissão;
  • escolha um objetivo final (onde você quer chegar a longo prazo) e crie micro metas ao longo dessa trajetória;
  • pense e anote como você pode realizar cada uma dessas micro metas e qual será a recompensa obtida de forma natural ou induzida como premiação para cada uma delas;
  • por fim, entre em ação — só existe uma pessoa que pode fazer isso acontecer: você!

Acabe de vez com as crenças limitantes

Obviamente, algumas “pedras” poderão ser encontradas ao longo do caminho. Suas crenças limitantes podem ser algumas delas. Mas você sabe o que isso significa?

Crenças limitantes são convicções que adquirimos ao longo da vida e que nos impedem de desenvolver nossas habilidades de forma eficaz. Portanto, é fundamental aprender como eliminá-las.

Contudo, essa não é uma tarefa simples. É preciso identificar suas crenças, encontrar a causa de cada uma delas, transformá-las em crenças positivas e manter esses novos hábitos ao longo da vida.

Sendo assim, a próxima dica pode ajudar nessa e em outras questões que veremos mais à frente. Confira!

Procure por ajuda profissional

Não exite em procurar por ajuda profissional ao encontrar dificuldades em qualquer uma das etapas listadas até agora. De fato, muitas pessoas precisam dessa orientação mais especializada e imparcial.

Embora nossos familiares e amigos possam ser de grande auxílio nas descobertas de nossos potenciais, eles têm uma forma única de ver o mundo e isso pode influenciar na forma como veem você.

Um profissional, no entanto, vai utilizar ferramentas e metodologias para fazer uma análise comportamental efetiva, de forma que suas próprias crenças não interfiram na avaliação e, assim, possa indicar as melhores soluções para o seu caso.

Como gerenciar a carreira de sucesso?

Iniciamos, então, uma nova etapa no desenvolvimento da consciência profissional. Se você fez as tarefas anteriores com atenção, já deve saber exatamente quais são suas pretensões profissionais a curto, médio e longo prazo.

Agora, vamos falar sobre como gerenciar sua carreira da forma correta para que essas aspirações possam ser concretizadas.

Atualize-se constantemente

Com as mudanças constantes no mercado de trabalho, o profissional que tem sua carreira bem desenvolvida precisa se atualizar constantemente. Isso não quer dizer, necessariamente, fazer outra graduação ou similares, mas que parar de estudar pode não ser a melhor opção.

Para isso, faça cursos livres, especializações de curta duração ou, ainda, participe de oficinas práticas de desenvolvimento de carreira. Práticas que desenvolvam a criatividade e a inovação também podem ser uma boa ideia!

Aperfeiçoe seus talentos

Você já descobriu quais são seus principais talentos, agora você vai lapidá-los para que fiquem ainda mais desenvolvidos e eficazes. Nesses casos, a prática tende a ser a melhor opção. Quanto mais você faz algo, melhor você fica.

Para isso, escolha apenas um de seus talentos por vez, preferencialmente aquele que pode trazer o maior resultado para a sua carreira e analise possibilidades de melhorias. Coloque-se em ação!

Invista em sua carreira

Não estamos falando apenas de investimento financeiro, embora ele seja muito importante, mas também do tempo dedicado à sua carreira.

Para isso, procure por profissionais e empresas que possam lhe auxiliar com mentorias profissionais, treinamentos e orientações personalizadas. Faça também um bom networking. Aliás, vamos falar mais sobre isso!

Faça networking

A prática do networking envolve a interação entre profissionais com foco em reconhecer, criar ou agir sobre oportunidades de negócios, compartilhar informações e buscar potenciais parcerias para empreendimentos.

Para isso, participe de eventos comerciais em sua área de atuação, como feiras, congressos e até eventos de capacitação em grupo.

Reveja suas metas

Pode ser necessário, de tempos em tempos, rever suas metas, bem como as etapas necessárias para cumpri-las. Isso porque a vida simplesmente acontece e, às vezes, é preciso ser flexível.

Para isso, faça uma análise pessoal e profissional a cada trimestre, semestre ou a cada “x” tempo determinado por você, para verificar se há a necessidade de quaisquer alterações em seu plano de carreira.

Mantenha a consistência

Por fim, mantenha a constância e a consistência — sempre! Afinal, sem ela, fica muito mais difícil realizar qualquer coisa que seja em nossas vidas.

Para isso, saber o que, quando, como e o porquê você quer conquistar um objetivo é fundamental para não desistir no meio do caminho.

Como manter a conscientização da carreira sempre ativa?

Para manter todo esse processo ativo, é importante seguir as dicas do tópico anterior e também ter em mente que aprender, conectar e criar devem ser fatores constantes desse processo de planejamento e ação.

Aprender coisas novas. Conectar conhecimentos e pessoas. E criar soluções. Tenha isso sempre em mente!

Para finalizar, aqui vão algumas dicas que vão ajudar a manter a conscientização da carreira sempre ativa. Confira!

Avalie onde você está agora

O que você fez nos últimos meses ou anos para ajudar seu desenvolvimento profissional? Você está onde pensou que estaria nessa fase de sua carreira?

Se as respostas forem “nada” ou um grande e sonoro “não”, é melhor começar a fazer alguma coisa o quanto antes.

Desenvolva uma linha do tempo

É importante decidir quando você deseja atingir seus objetivos e estabelecer um prazo para isso. Ao planejar e agendar seu desenvolvimento profissional, você terá muito mais chance de sucesso.

Escreva tudo

Mantenha anotações detalhadas do seu plano de desenvolvimento profissional e altere-o à medida que avança. Escrever ajudará você a se lembrar do seu objetivo geral e de todas as etapas que você definiu para si mesmo.

Meça seu progresso

Medir seu progresso ajudará você a saber se está alcançando suas metas e se está no caminho certo para alcançá-las. Pode ser necessário definir etapas mais gerenciáveis, criar novos destinos ou até mesmo definir novos objetivos, como já falamos, mas é sempre bom lembrar!

Vale ressaltar que o aprendizado é um processo constante ao longo da vida e é importante continuar seu desenvolvimento profissional para garantir o sucesso na carreira.

Como um serviço de consultoria pode ajudar?

Pode ser que a empresa na qual você trabalha esteja passando por uma mudança organizacional, ou ainda que esse processo de conscientização seja uma necessidade pessoal sua. Independentemente de quais sejam seus motivos para buscar esse desenvolvimento profissional, um serviço de consultoria pode ajudar.

Como vimos anteriormente, um profissional ou empresa realmente qualificados vão focar seu atendimento em suas necessidades mais urgentes, ainda que você nem saiba quais são. Identificando essas necessidades, bem como possíveis crenças que estejam atrapalhando seu progresso, esse apoio especializado pode, então, ajudar a definir a melhor estratégia.

O coaching empresarial é um exemplo de ferramenta que tem como foco a melhoria das habilidades e competências que você precisa desenvolver para garantir os melhores resultados no trabalho. Outras ferramentas podem ser utilizadas além de processo de coaching, em mentorias e consultorias profissionais.

Gostou das dicas? Ou melhor, deste guia completo de como desenvolver a consciência profissional de forma simples e fácil de ser aplicada? Pois então agora só falta uma coisa: entrar em ação!

Precisa de ajuda? A Opus Human oferece soluções customizadas para potencializar seus talentos e sua carreira. Entre em contato!



O quanto esse conteúdo foi útil?

5 / 5. 1

Compartilhar essa matéria


Artigos relacionados

O que é e como funciona a metodologia SMART? Descubra agora!

O que é e como funciona a metodologia SMART? Descubra agora!

14/01/2021

Geração Z e Millennials: Quais as demandas de cada um desses colaboradores?

Geração Z e Millennials: Quais as demandas de cada um desses colaboradores?

27/09/2022

Conheça as principais competências e habilidades de um líder

Conheça as principais competências e habilidades de um líder

07/02/2019