Marketing Opus 21/01/2019

Coaching e Mentoring na gestão de pessoas: saiba como desenvolver sua equipe!

Coaching e Mentoring na gestão de pessoas: saiba como desenvolver sua equipe!

É sempre bom ressaltar que pessoas são o principal ativo de uma empresa. Afinal, no fim das contas, qualquer negócio é feito de pessoas para pessoas. Nesse sentido, o sucesso das organizações passa, necessariamente, pelo desenvolvimento dos seus colaboradores. Existem diversas formas para fazer isso, e algumas das ferramentas mais eficazes são o coaching e o mentoring.

Embora muitas pessoas citem os termos como sinônimos, eles são bem diferentes, e é justamente disso que este texto tratará. Apresentaremos as diferenças de coaching e mentoring na gestão de pessoas e mostraremos como elas ajudam a desenvolver profissionais e a fazer com que as empresas conquistem bons resultados e se estabeleçam em um contexto de crescimento contínuo.

Além de falar das diferenças dos conceitos e entender como eles são aplicados nas empresas, explicaremos as principais particularidades de cada método e como os colaboradores e as organizações poderão se beneficiar disso. Por fim, vamos destacar o que fazer para implementar programas de coaching e mentoring nas organizações. Se você quer fazer a diferença no seu negócio, acompanhe o artigo!

O que é Coaching?

Em linhas gerais, o coaching pode ser definido como um processo que conta com diversos recursos e que utiliza ferramentas, técnicas e conhecimentos de inúmeras ciências — como neurociência, administração, psicologia, recursos humanos etc. —, a fim de conquistar e otimizar resultados, sejam nos âmbitos pessoal ou profissional.

Por meio do coaching, é possível realizar mudanças positivas e duradouras, em pouco tempo e de forma efetiva. A metodologia significa tirar uma pessoa de um estado atual e levá-la ao estado desejado, de maneira satisfatória e rápida. Além disso, trata-se de uma oportunidade para visualizar todas suas questões de forma clara, por meio da quebra de crenças limitantes e do aumento da autoconfiança.

O processo contribui para que as pessoas conheçam e atinjam o máximo de seus potenciais, a fim de conquistar seus objetivos e bater suas metas. Conduzido de forma confidencial, o coaching é realizado por meio de sessões, em que um profissional — denominado coach — tem a missão de apoiar, estimular e despertar em seu cliente — conhecido como coachee — a totalidade do seu potencial.

As sessões podem ser realizadas individualmente ou em grupo, semanal, quinzenal ou mensalmente, e duram em média de 1 a 2 horas. Por ser um processo muito flexível, o coaching pode ser aplicado nos mais diversos conceitos e direcionados a profissionais das mais variadas profissões, bem como em empresas de diferentes segmentos e tamanhos.

Tipologias

O coaching conta com uma grande segmentação de atuação. Entre os principais, destacamos:

  • coaching de vida ou life coaching: mais abrangente e envolve diversas questões da vida pessoal, como enfrentar medos e vencer adversidades;
  • coaching de relacionamento: em geral, voltado para casais, e o foco é melhorar o relacionamento e otimizar a afetividade da parceria;
  • coaching de carreira: a ideia é ajudar os indivíduos a avançar na carreira ou a encontrar a profissão mais adequada ao perfil do cliente;
  • coaching de negócios ou business coaching: o desafio é ajudar empresários a superarem os desafios, a fim de fazer seus negócios crescerem;
  • coaching financeiro: o objetivo é oferecer uma ajuda bem específica para que o coachee possa organizar e melhorar sua vida financeira;
  • coaching de vendas: como o próprio nome diz, a missão é ajudar o coachee a encontrar novos caminhos para vender mais e melhor;
  • coaching executivo ou executive coaching: apoiar profissionais que encontram-se no topo da liderança, no seu desenvolvimento continuo e na busca do autoconhecimento.

Coaching Pessoal

Entre todos os esses tipos citados, podemos simplesmente dividir o coaching entre pessoal e profissional. No caso do pessoal, podemos destacar os seguintes subtipos:

  • coaching familiar;
  • coaching para concursos;
  • coaching de relacionamento;
  • coaching financeiro;
  • coaching esportivo;
  • coaching de emagrecimento.

Coaching Organizacional

No que diz respeito ao Coaching Organizacional, destacam-se:

  • coaching executivo;
  • coaching de carreira;
  • coaching de equipes;
  • coaching de vendas;
  • coaching de negócio;
  • coaching de liderança.

Benefícios do Coaching para as Organizações

O Coaching Organizacional é uma especialidade do coaching focada nas mais modernas práticas de gestão estratégica. Dessa forma, o objetivo é entregar soluções efetivas para as organizações, em pouco tempo e com alto grau de impacto. Entre os benefícios do Coaching Organizacional, destacamos:

  • otimização da força competitiva da empresa no mercado;
  • maior compromentimento dos colaboradores;
  • melhoria do nível de satisfação dos colaboradores;
  • sentimento de fidelização e pertencimento dos profissionais;
  • efetiva diminuição do turnover;
  • melhoria no alinhamento de valores, objetivos e metas;
  • aumento da motivação e da produtividade;
  • gestão de tempo otimizada e efetiva;
  • aprimoramento dos processos e melhoria do desempenho;
  • mais poder e clareza para a tomada de decisões;
  • otimização das relações interpessoais;
  • aprimoramento da comunicação;
  • estratégias e ações da gestão mais efetivas e acertadas;
  • aumento da influência da liderança em relação ao time;
  • melhoria dos resultados como um todo;
  • aperfeiçoamento das competências e habilidades;
  • mais inteligência de mercado;
  • foco em uma cultura organizacional de alta performance.

 

Entre esses benefícios que foram citadas, vamos destacar alguns deles. Acompanhe:

Comprometimento dos colaboradores

Por meio do coaching, é possível contar com colaboradores mais comprometidos. Quando os profissionais estão mais engajados, eles se dedicam mais e, assim, produzem com maior rapidez e qualidade. Esse comprometimento nada mais é do que um vínculo entre um profissional e uma empresa, estabelecido por meio de objetivos e metas tratadas em comum acordo.

Aumentar a produtividade

Outro reflexo do coaching corporativo é o aumento da produtividade do colaborador. A metodologia é essencial para trabalhar habilidades e aprimorar as competências, o que diminui o tempo para realizar as atividades e, assim, amplia a visão dos colaboradores, que naturalmente se tornam muito mais produtivos em todos sentidos.

Melhorar a gestão do tempo

Mais uma vantagem do coaching organizacional é melhorar a gestão do tempo, e por conseguinte a produtividade, o método também trabalha com técnicas que deixam o colaborador muito mais consciente das suas potencialidades e das suas obrigações. Dessa forma, os profissionais conseguem executar suas tarefas de maneira muito mais assertiva, o que traz diversas melhorias na gestão do tempo.

Melhorar a comunicação

O coaching também ajuda na melhoria da comunicação interpessoal. Como a comunicação eficaz é uma das competências mais buscadas dentro das organizações, a metodologia contribui para que as questões fiquem mais claras, o que facilita o processo de comunicação. Com mais confiança, as pessoas poderão se expressar melhor e, assim, a comunicação terá uma efetiva melhoria.

Elevar a autoconfiança dos colaboradores

Entre as técnicas trabalhadas no coaching, são reforçados valores como reconhecimento e respeito entre os próprios colaboradores. Dessa forma, eles se sentirão mais confiantes em relação ao próprio trabalho e no que diz respeito às atividades dos colegas.

Aprimorar as habilidades e competências dos colaboradores

Como não poderia deixar de ser, o coaching organizacional trabalha para desenvolver diversas habilidades e competências dos seus colaboradores. Por meio da metodologia, é possível ampliar a visão de mundo e, assim, o profissional se fortalece para solucionar problemas e vencer os desafios comuns no dia a dia de qualquer empresa.

Como implementar um programa de coaching na organização?

Para implementar um programa de coaching na empresa, é vital que alguns setores da empresa e colaboradores-chave da empresa — ou seja, os recursos humanos e o gestor — determinem o programa que será realizado e por quais motivos. Tal alinhamento é essencial para o programa ter sucesso e atender às necessidades dos envolvidos.

Quando existe uma necessidade real e um motivo claro para implementar um programa de coaching, o próximo passo é traçar um plano de ação. Entre os possíveis objetivos a serem desenvolvidos no programa, podemos destacar a promoção do autoconhecimento e a melhoria do comportamento.

No primeiro momento, os resultados almejados também precisam ser definidos. Embora o planejamento deva ser bem detalhado, ele precisa contar com estratégias simples e claras.

Escolher o coach

Como não poderia deixar de ser, é essencial encontrar um bom profissional. Ele precisa ter experiência, visão sistêmica e interesse efetivo pelos colaboradores da organização. Entre as questões cruciais, é necessário que o profissional tenha formação em coaching, experiência profissional e vivência como gestor de pessoas.

Além disso, é muito interessante que esse profissional também tenha cases de sucessos, o que lhe trará credibilidade para começar na empresa.

Definir a metodologia

O programa de coaching deve ser totalmente personalizado e formatado conforme cada situação. Recomenda-se que o coach defina a metodologia do programa com base na cultura da empresa, no clima e na expectativa organizacional.

Após as primeiras análises, o coach e a área de pessoas deverão definir questões como número de sessões, periodicidade e a duração do programa.

Aplicar o programa

O programa deverá ser aplicado conforme o alinhamento entre gestores, RH e coach. Esses profissionais se reunirão para definir todos os detalhes, focando em diversos aspectos, como a definição dos colaboradores elegíveis ao programa. A ideia é que as coisas aconteçam da forma mais transparente possível, a fim de conquistar os objetivos previamente estabelecidos.

Analisar os resultados

No decorrer do processo, é essencial que o coach relate informações práticas, como número de sessões e cancelamentos. Caso o coachee esteja de acordo, é interessante informar sobre as questões tratadas, mas com o cuidado de não ferir o código de ética em relação a confidencialidade, somente serão informados itens relacionados ao monitoramento da realização das sessões e não os assuntos discutidos. No fim do programa, é crucial realizar uma reunião, em que todos envolvidos avaliem o desempenho e verifiquem se os objetivos foram alcançados.

O que é mentoring?

O mentoring é um termo que vem do inglês e pode ser entendido como “mentoria”, “tutoria” ou “apadrinhamento”. Trata-se de uma ferramenta de desenvolvimento profissional e consiste no fato de umprofissional mais experiente ajudar outro com menos experiência no mercado.

Em outras palavras, é uma prática com foco na figura do mentor, que conduz o cliente para atingir um determinado objetivo ou bater uma meta específica. Em geral, o mentor é uma pessoa com muita experiência profissional, que agrega vivências e conta com uma grande visão de mercado.

No caso, é importante lembrar que se trata de uma relação de dependência, uma vez que o profissional atendido tem de absorver as informações e trazê-las para a sua realidade — isso pode levar um tempo considerável. O processo conta com diversos debates e conversas sobre vários assuntos que, não necessariamente, estão ligados ao trabalho. Isso possibilita o aprendizado e o desenvolvimento da pessoa atendida.

Cada vez mais utilizada nas organizações, essa prática está impulsionando a criatividade e a inovação nas empresas, o que faz com que elas se tornem mais competitivas no mercado. Além disso, também vale dizer que os benefícios também são observados para o mentor, que ganha muita motivação ao sentir que está contribuindo para o desenvolvimento profissional.

Tipologias

Assim como acontece no coaching, o mentoring conta com diversas vertentes. Entre elas, podemos destacar:

  • mentor-pai: é aquele que age como se fosse um amigo mais velho ou apenas um conselheiro em diversas questões pessoais ou profissionais;
  • mentor de carreira: é quem acompanha a evolução de um profissional na empresa ou na academia;
  • mentor organizacional: é um tipo de profissional com muita experiência, que dá orientações para um trainee ou pessoas que estão sendo promovidas ou se qualificando dentro dos quadros da empresa.

Abaixo, vamos falar com mais detalhes do mentor de carreiras e do mentor organizacional.

Mentor de carreiras

Que fique claro que um mentor não é um coach, tampouco um terapeuta ou professor, mas ele é capaz de ajudar pessoas que estão se desenvolvendo em suas carreiras. Embora os conceitos tenham aspectos em comum, eles contam com as suas devidas particularidades. Um mentor de carreiras é aquele que provoca seu cliente. Mais do que passar determinadas informações, ele estimulará a autonomia, ou seja, fazer com que a pessoa seja mais proativa e conquiste os resultados esperados, interferindo diretamente na melhor forma de agir do mentorado.

Uma característica que melhor define o mentor de carreiras é a sua experiência. Ele sempre será alguém que passou por vivências específicas ligadas às demandas do seu cliente. Se uma pessoa busca alguma ajuda porque passará um tempo trabalhando nos Estados Unidos, por exemplo, o mentor precisa ter atuado de forma profissional naquele país.

Isso não quer dizer que o mentor precisa ser alguém extremamente bem-sucedido. Ele pode ter tido sucessivos fracassos, inclusive. O mais importante é que ele conte com “cicatrizes”, ou seja, que tenha aprendido na pele como é estar na situação específica que o mentorado está prestes a experimentar.

Dessa forma, vale dizer que o verdadeiro mentor de carreiras é aquele que, mais do que um veterano com muitas histórias para contar, precisa buscar uma formação em uma escola de mentores, onde aprenderá métodos e conceitos de mentoria e, com isso, conquistará um certificado.

A partir desse contexto, vale dizer que qualquer pessoa pode buscar um mentor de carreira — tanto os mais jovens, quanto os mais velhos. É necessário apenas ser um novato em um determinado assunto, e isso não tem nada a ver com idade ou com o tempo de carreira. O executivo sênior com 40 anos de carreira no Brasil, por exemplo, é totalmente inexperiente quando falamos de trabalho fora do país.

Mentor organizacional

O mentor organizacional, por sua vez, contribui para que o mentorado domine o conhecimento necessário, a fim de que ele desempenhe o seu trabalho para que possa crescer na organização e, consequentemente, na carreira.

Dentro das organizações, o mentor pode orientar e, assim, ele poderá fornecer treinamentos, dicas, instruções, atalhos, recursos, entre outros, que serão muito úteis para que o mentorado se adapte à cultura da empresa e se desenvolva profissionalmente no local.

O mentor profissional também é capaz de desempenhar um papel de proteção, principalmente no início do processo de mentoring. Nesse caso, o mentor é essencial para que o mentorado não cometa erros de conduta ou técnicos.

O profissional mais experiente acaba se tornando essencial e evita que o cliente se aventure em atividades para as quais ele ainda não está efetivamente preparado. Dessa forma, o mentorado se afasta de riscos que poderiam comprometer sua imagem e seu crescimento na empresa.

Benefícios do Mentoring Organizacional

O mentoring organizacional é uma excelente maneira de transformar as relações dentro de uma empresa e, consequentemente, esse profissional pode se tornar um ator essencial para a conquista de resultados e sucesso. O mentor é responsável por trazer mais criatividade e inovação aos profissionais, a fim de torná-los pessoas com mais conhecimento, clareza e poder de decisão.

Entre os principais benefícios do mentoring organizacional, destacamos:

  • qualidade e agilidade na aprendizagem organizacional;
  • otimização na adaptação de novos colaboradores;
  • retenção do conhecimento tácito — seja ele institucional ou técnico;
  • melhoria da produtividade;
  • melhor aproveitamento e retenção de talentos;
  • desenvolvimento de lideranças;
  • otimização da rede de colaboradores;
  • mais eficiência nos processos da empresa como um todo;
  • efetivo suporte para possíveis processos de mudança na organização;
  • facilita o desenvolvimento da diversidade na empresa;
  • redução de custos com T&D (treinamento e desenvolvimento);
  • e muito mais!

Aumentar a produtividade

Como não poderia deixar de ser, o mentoring organizacional é essencial para que os colaboradores aumentem seu nível de produtividade. Por contar com o auxílio de alguém mais experiente, estarão muito mais preparados para colocar a mão na massa com mais clareza, foco e eficiência.

Desenvolver as lideranças

O mentoring é crucial para que novas lideranças sejam formadas. Entre as particularidades da formação de uma nova liderança, podemos destacar o exemplo como uma das suas principais. Por meio do método, o mentor tem a missão de passar todos os seus conhecimentos para o mentorado, de maneira que ele esteja efetivamente preparado para praticar, se desenvolvendo e desenvolvendo outras pessoas ao mesmo tempo.

Maior eficiência nos processos

Como o mentoring consiste no treinamento de um mentor em relação a um mentorado, os processos ganham mais eficiência. A experiência do mentor evitará que o mentorado cometa alguns erros e, assim, os processos serão realizados de forma mais fluida, o que será essencial para a melhoria dos resultados.

Aumentar a satisfação dos colaboradores

Quando aprendem mais rápido, os colaboradores ficam mais satisfeitos e essa é mais uma vantagem do processo de mentoring. Uma vez que os profissionais percebem que a empresa está preocupada com a sua evolução, eles retribuem e realizam suas atividades com mais qualidade, eficiência e em menos tempo.

Melhor aproveitamento de talentos

Trata-se de mais um dos benefícios do mentoring. O processo também é essencial para manter os melhores profissionais na empresa. Ao passar pelo mentoring, os mentorados terão mais ferramentas e competências para se desenvolverem. Dessa forma, se sentirão mais úteis e valorizados e, por isso, tendem a continuar trabalhando na organização que está apostando neles.

Como implementar um programa de Mentoring?

Começar com um programa de mentoring nas empresas é algo que não exige muitas complexidades. É apenas necessário que a companhia tenha líderes preparados para formar outras pessoas. Em geral, líderes com mais paciência podem se tornar excelentes mentores. É muito comum que grandes organizações contem com programas muito bem-estruturados e costumam atingir resultados excelentes por meio da iniciativa.

Analisar as necessidades de treinamento

A análise das necessidades de treinamento tem de partir dos gestores e da área de RH. Como há a necessidade de melhoria contínua nas empresas, e visto que o mercado está em mudanças constantes, essa necessidade é praticamente comum a qualquer organização. O mais importante é analisar o momento da companhia e os recursos que ela tem em mãos para colocar o processo de mentoring em prática.

Definir os objetivos

Os objetivos dependem de cada empresa. Em primeiro lugar, é preciso deixar bem claro onde a empresa pretende chegar. Em seguida, é preciso definir o que se pretende ganhar ao implantar um programa de mentoring dentro das organizações. A partir daí, fica muito mais fácil colocar o projeto em prática.

Escolher o mentor

Conforme destacamos ao longo do texto, o mentor deve ser uma pessoa mais experiente, que tem a missão de mentorar um profissional menos experiente. Além da experiência, é essencial que o mentor tenha vivenciado o assunto no qual o mentorado será treinado. Além disso, recomenda-se que o mentor tenha certificado na área, de forma que tenha acesso aos métodos específicos de mentoria.

Aplicar o programa

A aplicação do programa deve seguir um cronograma com início, meio e fim. O processo deve ser previamente acordado entre RH, gestores, mentores e mentorados. Dessa forma, será possível definir o tempo das sessões e a duração do programa. Assim, será mais fácil avaliar os resultados pretendidos.

Avaliar os resultados

Da mesma forma que acontece no coaching, a avaliação dos resultados deve seguir um processo claro, em que todos os envolvidos devem se reunir para verificar se houve avanço depois que o processo foi colocado em prática. Para isso, é possível trabalhar com alguns indicadores-chave de desempenho (KPIs), como o retorno sobre o investimento (ROI).

E então, o que achou dessas ideias relacionadas a coaching e mentoring na gestão de pessoas? Como mostramos ao longo do texto, trata-se de conceitos diferentes, embora eles tenham algumas coisas em comum. Na essência de ambos, está a missão de fazer com que profissionais e empresas se desenvolvam e estejam mais preparados para superar desafios e conquistar resultados.

Caso seja o momento de você utilizar alguns desses serviços, pode contar com a gente. Entre em contato e saiba como podemos ajudar.



O quanto esse conteúdo foi útil?

3.8 / 5. 4

Compartilhar essa matéria


Artigos relacionados

As principais diferenças entre um CHEFE e um LÍDER.

As principais diferenças entre um CHEFE e um LÍDER.

20/10/2021

Afinal, como dar feedback? Confira as melhores dicas!

Afinal, como dar feedback? Confira as melhores dicas!

04/08/2020

Liderança Carismática

Liderança Carismática

18/04/2022