Wladimir Martins 27/09/2022

Analisando Perfis Comportamentais de Personagens: Game of Thrones

Game of Trones é uma série de TV Norte Americana, criada por David Benioff e D. B. Weiss, com base na sequência de livros “A Song of Ice and Fire” de George R. R. Martin. Eleita a melhor série de TV do século XX no ano de 2020, de acordo com uma votação realizada pela revista “Digital Spy”, a série conta com personagens de características peculiares que têm muito a nos ensinar.
Jon Snow – observador, idealista e um ótimo líder, Jon Snow apesar de parecer um bastardo durante a série, possui traços de um bom líder, guiado pela ética e justiça. Jon baseava suas ações no que ele acreditava ser o correto, sendo um dos personagens que mais evoluiu durante a série. Cauteloso, o personagem sempre buscou tomar decisões seguras, que não fossem motivadas por desejos de vingança ou tristeza, demonstrando autocontrole. Humilde, corajoso e gentil, Jon lutou com toda garra e força nas batalhas, e estava sempre agradecendo e incentivando os demais, especialmente diante dos desafios, ele reconhece o potencial de todos e sua importância para o bom funcionamento do sistema, é extremamente leal e amigo. Relacionando essas características com as favoráveis às empresas, o personagem se destacaria dentro da organização, alcançando um excelente patamar, compreendendo os eixos da paciência, normas, autocontrole e extroversão e apresentaria um bom indicador de equilíbrio e energia. Os eixos e indicadores são formas de analisar o perfil dos colaboradores dentro da organização.
Cersei – de acordo com alguns analistas, a personagem Cersei possui transtorno de personalidade antissocial e psicopatia. Pessoas com essas características normalmente cometem atos ilegais, fraudulentos, exploradores e imprudentes, demonstrando total descaso com os direitos dos outros, além de não se responsabilizarem pelas consequências de suas ações e se manterem indiferentes frente as suas próprias atitudes. Mas todo esse comportamento de Cersei pode ter surgido a partir de seus traumas do passado. No entanto, diante das relações reais do mercado de trabalho, esse conjunto de qualidades negativas pode ser bastante prejudicial. Isso porque o ambiente institucional requer o máximo de colaboração, confiança e empatia entre seus colaboradores e não admite comportamentos ilegais e impróprios.
Daenerys – a personagem apresenta um desejo de grandiosidade, ligado à percepção de merecer um tratamento especial e de ser brilhante, o que pode ser relacionado com o distúrbio de personalidade narcisista. Outras características ligadas ao distúrbio são: falta de empatia, desprezo e atitudes arrogantes e presunçosas, admiração excessiva por suas qualidades e tendencias de exploração. Todas essas qualidades são desfavoráveis para as relações de trabalho, uma vez que o trabalho em equipe deve ser uma das principais características da organização, responsável por proporcionar uma elevação em seus resultados.
Sansa – resiliente, com alta capacidade de aprendizado e boa em se adaptar aos acontecimentos, Sansa Stark é cautelosa e consegue gerenciar e identificar riscos. Em contrapartida, a personagem possui dificuldade para confiar nos outros, trabalhar em equipe e delegar tarefas, demonstrando que ela não possui aspectos de liderança e certamente sentiria dificuldades em se relacionar com os outros e executar as tarefas dentro de uma organização.



O quanto esse conteúdo foi útil?

0 / 5. 0

Compartilhar essa matéria


Artigos relacionados

Como aliar transformação digital e humanização?

Como aliar transformação digital e humanização?

26/05/2021

Os 4 Pilares do Alto Desempenho.

Os 4 Pilares do Alto Desempenho.

26/05/2021

Plano de Desenvolvimento Individual (PDI): por que é tão importante?

Plano de Desenvolvimento Individual (PDI): por que é tão importante?

29/04/2020